terça-feira, 4 de agosto de 2009

Pânico na TV e a ridicularização do outro

Não é novidade que o corpo, principalmente o feminino, é explorado na televisão de forma exagerada e sexualizada até o último nível. Minhas primeiras lembranças de programas de TV ainda são do programa do Chacrinha, e lá nos idos dos anos 80, as dançarinas e ajudantes de palco já apareciam semi-nuas, em coreografias não menos sensuais. Tenho certeza que em programas anteriores o fato se repetia e acabou se tornando algo tão corriqueiro que não se questiona mais programas de auditório, comédias ou de variedades que se utilizam de tal linguagem. E o programa Pânico na TV, da Rede TV! não foge à regra. A cada corte, a cada ida e volta ao intervalo comercial ou entre videotapes, a câmera está pegando as dançarinas de um ângulo ginecológico. E infelizmente, essa é a coisa mais normal que se poderia ter.

A erotização é algo que se utiliza, normalmente, para se alavancar a audiência. Se alguém está procurando algo para assitir na TV aberta (e tem que procurar bastante ultimamente), e sentir atração por mulheres, no mínimo vai deixar no canal para que, na pior das hipóteses, verá uma ou outra bunda rebolante. Não contentes, porém, os humoristas do programa encontraram um modo de mostrar um outro lado dessa erotização, criando um quadro chamado A musa da beleza interior, que na verdade não passa de uma forma de encontrar a pessoa que esteja mais fora dos padrões de beleza, geralmente na praia, e a expor ao ridículo e à humilhação de se exibir enquanto um animal grotesco, um monstro de quem se deve ter nojo. Infelizmente, a grande maioria das pessoas que participa do quadro são de classes mais pobres e, por ignorância ou inocência, sequer entendem pelo que estão passando, tornando essa exposição ainda mais ridícula ao se sujeitar aos caprichos dos tais humoristas.

Se a televisão há muito tempo dita modas e tendências, se afirma o que é bonito, o que é certo, o que é fino, agora faz questão de mostrar o quanto pessoas normais podem ser o oposto do que ela prega, aumentando ainda mais o abismo entre o que é cômico e o que é desrespeito. Não só com a pessoa que está expondo, porque infelizmente ela aceitou tal fato e provavelmente ganhou uma quantia considerável de dinheiro, mas principalmente com o espectador, que consome aquilo enquanto diversão às custas da falta de ética com o outro e a falta de respeito com o que lhe é diferente. Certamente, todas as pessoas que riem e apontam o dedo em frente a televisão odiariam passar por tamanha humilhação. Infelizmente, poucos se permitem refletir um pouco mais sobre o que estão rindo. E o espetáculo do desrespeito continua.

16 comentários:

KA disse...

Parceiro, Vc falou tudo!
Sempre senti desconforto com este tipo de coisa. Acho que o humor anda cambaleando para a falta de ética total. O Pânico é mestre nisto. Mas sinto também que outros, como o CQC, que é endeusado como a última palavra em inteligência e irreverência, caminha para o mesmo lado.
É triste quando para rir precisamos desrespeitar, ultrapassar limites. Como dizia o saudoso Renato Russo, o brasileiro é muito contente, mas não é feliz. Não sabe o que é felicidade. Acho que é por aí...
Bjs

Hugo disse...

O limite entre comédia e desrespeito é muito próximo e infelizmente praticamente todos os programas que em tese são comédias na tv aberta acabam indo para o lado da baixaria, de uma forma ou outra.
O CQC é o único um pouco melhor, mesmo assim acaba tendo suas derrapadas.

Abraço

Paulo Roberto Montanaro disse...

Olá pessoal!

Ka: Pois é... ninguém aqui acha que tudo deve ser puro e politicamente correto o tempo todo, até porque a grande motivação para o riso são as diferenças. Mas quando isso deixa de ser algo que se brinca com a diferença e vira desrespeito e humilhação, passa de qualquer limite aceitável.

Hugo: Concordo plenamente. Mesmo o CQC, que é de um nível um pouco maior que o Pânico na TV (não explora, o tempo todo, dançarinas gostosas, por exemplo) as vezes perde a noção. Creio que está intrínseco a esse tipo de humor explorar o outro.

Há braços

Dan disse...

Concordo plenamente com seu post e com seu comentário acima. As pessoas estão confundido as coisas. Criticar o politicamente correto eu até acredito ser correto, mas a critica deve vir de forma inteligente, sutil até, o que se vê é uma exploração cada vez maior do ser-humano.

Gostei de seu blog. Venha visitar o meu e veja o que acha.http://dan-poucodetudo.blogspot.com/

Dri Viaro disse...

Oi, vim conhecer seu blog, e desejar boa tarde.
bjsss

aguardo sua visita :)

KA disse...

Então, Paulo. Mas o politicamente correto é uma linha divisória importante. Diferença ainda é algo a ser aceito pela sociedade e usar dela para ridiculzarição só faz o mundo andar pra tras.
Um dos "humoristas" do tal inteligente CQC fez piada comparando jogador de futebol a gorilas. O apresentador (que nem cito o nome) costuma se referir sempre pejoratimavemnte a mulheres bonitas no blog dele(chama de "p" mesmo) e não respeita idosos. Isto é humor? Pode ser aceito? Nunca. É racismo, discrinação. E racismo é crime. Assim, tem uma série de temas que devem estar de fora da lista dos humoristas: racismo, deficiência, doença, morte, velhice, etc. Nenhum destes assuntos é para se brincar. Vale se difertir as custas do que faz o outro sofrer? Não aceito isto. Prefiro ser politicamente correta chata do que me render a falta de valores. Talvez seja coisa da idade, mas ainda bem que não consigo rir deste tipo de coisa, muito menos achar normal. O que falta muito hoje é noção de ética, valores, humanidade. E isto tudo começa pela forma que alguém se diverte. Rir de crueldades com animais ou crianças ou do que faz alguém sofrer não faz sentido pra mim.Não pode ser normal e não é coisa do mundo em que eu quero viver.
Sorry, falei demais...
Bjs

Dewonny disse...

Kra, vc disse td!
Ñ tenho mais nada a acrescentar!
Parabéns pelo texto!
Abs! Diego!

Anna disse...

Hey nice blog you have here. Sorry I cannot read it, may be I will use the translated. However, just dropping by to say thank you for the friendly add at the blog catalog. Anna :)

Lucaimura disse...

Infelizmente é da natureza humana explorar os mais fracos e gozar com os seus defeitos. Felizmente todos nós temos o poder de mudar isso, basta mudar de canal!!
Pode parecer demasiado simples, mas estes programas vivem de audiências, se TODOS mudarem de canal pode ser que as emissoras percebam a mensagem.
Bem, não custa sonhar ;)

Um abraço.

Rodrigo Pereira da Silva disse...

Concordo com o desrespeito mas vale a pena lembrar que os programas como Pânico na TV e CQC passam em horários apropriado, diferente do Cassino do Chacrinha.
Gosto do CQC e acredito que "Marcelo Tas e Rafinha Bastos" sejam diferentes de "Silvio e Vesgo".
Parabéns pelo post

Cris disse...

Montanaro,

deixei de assistir ao programa justamente por isso, odeio baixaria e essa coisa de humilhar as pessoas para "forçar o riso", sos quero ver um humor inteligente na TV...

beijos

Ygor Moretti Fiorante disse...

Faz tempo q tv pra mim é so pra algum filme que irá reprisar e vale a pena ver novamente , ou futebol, por que de resto, é incrivel como estamos sem opção, seja o jornalismo esportiv sempre bairrista e puxa saco da massa, o humor chega a ser triste, e por mais que o PAnico seja horrendo, tenho mais antipatia anda pelo CQC, como foi bem dito eles se acham donos da palavra final, como se estivessem acima do bem e do mal, tirando a imagem mais recatada de um, ambos são igualmente despreziveis e baixos.

ABraço!!!

Anônimo disse...

Depois daquela pequena piada do Danilo Gentili sobre King Kong/jogador de futebol, o cara foi crucificado como preconceituoso e tal.

Agora o pessoal do Pânico mostra semanalmente estas senhoras desprovidas da gostosura de suas assistentes, faz todo um quadro sobre isso e ninguém falou nada. E não digam que eles não apelam para a questão preconceituoso, porque querendo ou não eles estão sendo preconceituosos.

altieres bruno machado junior disse...

Olá Paulo

Concordo com você. Esse tipo de programa só sabe ridicularizar e humilhar as pessoas. Confesso que até gostava de alguns quadros, como o do Cristian Pior, mas com o tempo vi o quão degradante é. Percebi que pimenta nos olhos dos outros é refresco. É engraçado enquanto é com as outras pessoas, mas depois que me coloquei no lugar delas percebi o quão é humilhante a situação.

Abraço e até mais.

Cris Caetano disse...

Nunca assisti a um programa inteiro deles, começou o sucesso e fui conferir e não entendi. Piadas sem graça em cima da humilhação alheia. Na minha época de faculdade ninguém admitia assistir Chacrinha(porque era considerado programa brega) que não tinha nada a ver com o perfil do Pânico, uma mulher melancia, samambaia, pêssego ou outra fruta qualquer não faria sucesso algum, então ou a TV está pobre em criatividade, ou o cérebro de alguns brasileiros mingou. Não sei...

Abraços

Alberto G. P. Oliveira disse...

Olá, Paulo e comentaristas, essa discussão está muito interessante. Vejamos por esse lado: o Pânico na TV e o CQC têm um papel importante, que é cutucar a segurança moral de celebridades e políticos. Não estou dizendo que concordo com a ridicularização do outro, baseada em estereótipos, isso realmente é inaceitável e deve ser expresso por nós! Somos a audiência e os programas baseam-se em audiência, assim acredito que temos responsabilidade indireta na programação pra TV.

A verdade é que somos muito duros para criticar a TV, que não é uma maravilha mas também não está às traças. O próprio CQC, mtos já comentaram, conquistou fama de politicamente inteligente e agora vem mostrando mais uma cara "a la Pânico", mas vejam bem: quem está lá no Senado apontando as loucuras cometidas lá? Ok, a mídia mais tradicional também está lá. O quadro "Proteste já!", onde Rafinha Bastos vai a uma comunidade com um problema e, com câmera e microfone em mãos vai questionar as autoridades responsáveis, é um quadro bacana. Enfim, só quero mostrar que tudo tem dois lados, e que não estou aqui escondendo nem justificando a ridicularização ao outro, mas não podemos resumir tudo a isso.

No fim, acho que o Paulo concluiu bem: ou o desrespeito está intrínseco ao humor, ou então ainda está pra nascer humorista respeitoso. Se bem que agora lembrei de um contador de "causos" goianos muuuito bom, mas isso é outro papo...

Abraços!

Related Posts with Thumbnails