domingo, 21 de junho de 2009

Blogagem Coletiva - Minha Música, Meu Momento

Ciclo Sem Fim (Circle os Life)

Fazendo uma relação bem intrinseca entre música e cinema, imagem e som, como o blog sempre se propôs, eu participo desta blogagem proposta pela companheira na blogosfera Nade, do Jeito de Ser com esta proposta: o meu momento está ligado à esperiência audiovisual.

Quando se fala em música no cinema, não há como não nos lembrarmos de temas românticos, ou de ação, que nos marcaram. Everything I Do, de Robin Hood, ou I Don't Wanna a Miss a Thing, em Armaggedon são grandes exemplos disso. Nem preciso lembrar de My Heart Will Go On, de Titanic, né? Quem ainda não cantarola os maravilhosos temas compostos por John Williams para Star Wars, Superman, Tubarão, Indiana Jones, Jurassic Park ou ET? É quase impossível resistir a acompanhar esses temas quando começam a tocar em qualquer canto. Contudo, hoje vou lembrar de um momento importante para mim em relação ao cinema.

Em 1994, já com 11 anos de idade, eu nunca havia ido ao cinema, salvo em um filme dos Trapalhões, mas eu era muito pequeno para me lembrar. A escola organizou uma excursão para assistir a uma animação da Disney que estava lotando as salas pelo mundo inteiro. Ainda era cinema de rua, ou de praça. Não foi em um shopping. Era um dia de sol e as escolas formavam filas enormes para entrar naquela sala que tinha dois andares de cadeiras (alguém se lembra de salas de cinema assim?). Entramos. Eu mais perdido que cachorro em dia de mudança fui procurando lugar para sentar com os colegas, obviamente no ponto mais disputado do cinema, no andar de cima. Depois de acomodados é que percebi o que era aquilo. Não era como ver na TV, seja qual fosse o tamanho dela. Quando as luzes se apagaram e um clarão surgiu na tela, o local ficou em silêncio. Não houve trailer. Uma música com tom africano surge dos auto-falantes como um grito e um nascer do sol nos encanta.

Como alguns já devem imaginar, era O Rei Leão que eu estava assistindo. O primeiro filme que eu vi no cinema verdadeiramente. E durante toda a introdução do filme, foram muitas as sensações que tive, ao som de Ciclo Sem Fim, originalmente composta por Elton John, o que não me importava nem um pouco naquele momento. Os animais foram aparecendo... os menores e os maiores. Era o desenho mais fantástico que eu já tinha visto e a música, pela primeira vez, não me incomodou dentro de uma animação. E quando ela é retomada e Simba é elevado por Rafiki, eu entendi exatamente o que era aquele momento e isto ficou marcado pelo resto da minha vida. Naquele instante, eu descobri que cinema faria parte de mim.

Esta postagem é feita em parceria com uma galera. Veja os outros parceiros nessa blogagem coletiva, no Jeito de Ser. É uma experiência fantástica participar de uma blogagem coletiva. Essa é a primeira da qual participo, de muitas. Quero agradecer o apoio da Nade e convidá-los para visitar todos os blogs que estão participando, a seu modo, deste belo trabalho. Clique na figura ao lado.

28 comentários:

Nade disse...

Seu momento é fantástico!
Esta música marcou o início da sua vida cinéfila, dando base pra tudo que já viveste depois desta bem narrada experiência!
Linda sua história, Paulo!
E hoje, pelo que vemos em seu blog, és apaixonado por cinema!
E isso aí!
Obrigada pela participação na Coletiva, viu!
Grande beijo!
Nade do Blog Orgulho de Ser

Paulo Roberto Montanaro disse...

Pois é, Nade... fiz do cinema e do audiovisual a minha vida. Hj estudo isso, trabalho com isso, penso nisso, me divisto com isso... E O Rei Leão e Ciclo da Vida tem um pouquinho de culpa nisso tudo... rs

Obrigado pela visita!
Vamos que vamos!
Há braços

Teresa disse...

Olá Paulo
Como eu o compreendo, esse filme é fantástico, tanto em termos de animação como de banda sonora. E essa música então, do genial Elton John, ficou para sempre. Que bem fez em lembrá-la.
E tem razão noutra coisa: a blogagem colectiva é uma forma interessante de conhecer e interagir com pessoas também interessantes. Também participo nesta.
Um abraço do outro lado do Atlântico.
Teresa

MEUS PENSAMENTOS disse...

oi paulo adoro esse filme e essa musica é um espetaculo um marco na estoria da DISNEY,vc até que teve sorte foi ao cinema antes de mim .só conheci o cinema aos 18 anos,acredita? meu pai ñ deixava ,fui conhecer com meu marido,fazer o que,bjs!linda postagem cheia de emoção!

Dalva disse...

Paulo,

essa música é mesmo maravilhosa... Obrigada por partilhar este teu momento conosco!

Beijos e boa semana!

Princesa disse...

ma vida sem amar seria solidão,
Uma vida sem ternura seria cruel,
Uma vida sem confiança seria vazia,
Mas uma vida sem amigos não seria vida!!!

Um beijo e uma boa semana cheia de felicidade

Kamila disse...

Eu nunca assisti "O Rei Leão". E não faltaram oportunidades para isso...

Anônimo disse...

Paulo, o legal da música é que ela não tem prazo de validade. Se vem junto com um filme, então, torna-se imortal!

Estou na blogagem do Fio de Ariadne também.

Um abraço e parabéns pelo post!
Marcelo.

Vanessa disse...

Paulo , belo post o seu. Obrigada pela visita lá no Fio. As coletivas foram ótimas.

Abraço!

Paulo Roberto Montanaro disse...

Obrigado pela visita, pessoal. Realmente, é um momento importante que partilho com vocês, e fico muito feliz que vocês tbm gostem desse clássico.

Kamila: Como assim? Vc precisa ir à locadora e assistir agora. Certamente, será um dos seus filmes favoritos e marcantes.

Marcelo: realmente, ela é imortal juntamente com o filme. Não importa a tecnologia de animação que esteja em voga ou que venha a estar, o Rei Leão é um marco e é obrigatório para qualquer um, independente da idade.

Há braços a todos!
Paulo

Eduardo P.L disse...

Paulo Roberto,

obrigado pela visita e comentario no Varal.

Parabéns pela sua brilhante participação!

Volte sempre!

Forte abraço

tonhOliveira disse...

Lindo Montanaro

Grande descoberta,
obrigado por contar esta bela história,
a tua história!
Abraços!

Elaine disse...

Olá!
Assisti a O Rei Leão algumas vezes e sempre gostei das canções...
Obrigada pela visita e pelas palavras gentis.
Fique com Deus.

Anônimo disse...

Adorei seu blog, já estou seguindo...
Cinema é realmente tudo de bom!! Quem é que não gosta, certo?
Abraços!

Paulo Roberto Montanaro disse...

Obrigado, pessoal!

Elaine: no final, acho que O Rei Leão é o único filme do qual gosto de todas as músicas no meio da narrativa. Mesmo os demais clássicos Disney, elas sempre me incomodaram.

Valew pela visita!

Sonhos & melodias disse...

Oi Paulo,
Através dessa blogagem estou conhecendo o gosto musical de todos e também conhecendo mais pessoas que ainda não tinha tido o prazer de conhecer. Linda postagem e sua música então, DEZ!!! Passe pelo meu blog também. Falo em dois textos sobre duas canções e cantores.
Abraço,
Roseli

expressodalinha disse...

Música e cinema estão super ligados. Obrigado pela visita.

Cláudia disse...

Adorei! e o mais engraçado é que jamais pensei que alguém poderia ir ao cinema somente aos 11 anos de idade. A gente realmente tira a vida de todo mundo pela nossa né?

Desenhos animados são o máximo, vou a todos!
beijo

Paulo Roberto Montanaro disse...

Pois é, pessoal!

Mundos diferentes, cinema aos 11 anos... olha o que a blogagem coletiva nos proporciona! hehehe Memórias coletivas unidas pela chave "Música"

Vamos que vamos!

Hugo disse...

Vou visitar o blog que você indica.

A música é parte das mais importantes em um filme, os exemplos que você citou perderiam muito sua força sem as grandes trilhas que fazem sucesso até hoje.

Abraço

altieres bruno machado junior disse...

Olá Paulo

Realmente é incrível esta sensação, também tive uma igual. Mas meu primeiro filme no cinema foi Titanic, confesso que senti a mesma coisa: as imagens e a trilha sonora tudo me impressionou. Nunca tinha visto nada parecido. A partir daí comecei a ver os filmes com outros olhos.

abraços e até mais.

Palavras de Osho disse...

É empolgante como sua paixão pelo cinema está latente no texto. E achei demais você ter incluído uma imagem de videogame no cabeçalho/logomarca do seu blog. Só quem tem tamanha paixão pelos sons e imagens consegue reconhecer que videogame também é arte.

Abração! Adorei seu blog!

Anônimo disse...

Olá,
antes de mais obrigada pela sua visita no meu Blog :)

e sabe que eu adoro essa sua musica? foi ver o filme com minha filha quando ele estreou em Portugal. Também a tenho postada no meu Blog por um outro acontecimento...se correr o blog vai encontrá-la :)

Beijinhoa para si e volte sempre que será bem vindo

Paulo Roberto Montanaro disse...

Olá pessoal:

Hugo: pois é... a música não só faz parte do espetáculo, como também é um dos fatores fundamentais da construção de ícones!

Altieres: Realmente, é o que chamam de "experiência do cinema". Podem fazer o que for para exibição e distribuição de filmes em TV, internet, celular, ou o que for. Mas nada substitui essa experiência coletiva.

Osho: Obrigado! Ainda falta muito para que reconheçam os games como arte, tanto visual como dramática. Mas estamos na luta e acredito demais que o estudo da narrativa de games será o próximo passo na teoria audiovisual.

Ellen: que legal vc ter a mesma música postada... mais uma prova de que essas blogagens coletivas aproximam pessoas de universos tão diferentes, por pontos em comum e permitem que elas se aproximem.

Há braços!

KA disse...

Ta bombando, hein parceiro!
Mas este post tá muito bacana mesmo. Trilhas sonoras são uma parte contagiante do cinema. Fazem toda diferença em uma cena e nos marcam profundamente.
Uma das mais marcantes pra mim é a do Poltergeist, hehehehe. Ve se pode???
E também a do Superman, que foi o meu primeiro filme no cinema.
Bj!

Mírian Mondon disse...

Oi Paulo,
Prazer em conhecer voce e seu blog!
Amei sua historia! Quem não se encantou com o Rei Leão? E a música é muito linda mesmo!
Obrigada por sua visita no Café e pelas gentis palavras! Voltarei depois para conhecer melhor seu blog como ele merece!

Abraços

BANDEIRAS disse...

O filme é lindo , a música idem !

Obrigada pela visita ao meu blog e espero nos encontrar logo mais em outras blogagens coletivas ou mesmo visitas de um no blog do outro.

Bjs

Paulo Roberto Montanaro disse...

Olá pessoal!:

Ka: Pois é! Meu record de comentários! Consequencias da blogagem coletiva e da fraternidade blogueira! ehehe Mas Poltergeist realmente é surpresa, hein! Conta sobre isso no Mundo de Lyra!

Mirian: o prazer é todo meu em receber sua visita! Espero sempre poder visitá-la no café e receber vc por aqui!

Bandeiras: Vamos nos encontrar sim! Pode apostar! Esse mundo blogueiro sempre encontra seus meios.

Há braços a todos!

Related Posts with Thumbnails