segunda-feira, 27 de julho de 2009

Dossiê Lost: James "Sawyer" Ford

Texto de Karen Cristina

Atenção – spoilers para quem não viu a 5ª temporada

O tigre que mudou as listras. Assim James Ford assumiu quase que por completo a personalidade de Sawyer. Se não totalmente, praticamente. E se a redenção culminou em mais uma perda, o que será do agora ex bad boy sem seu grande amor? Será que alguém consegue perder tanto assim?

O golpista clichê que conhecemos no começo da série se transformou num anti-herói comparado ao capitão Han Solo (Star Wars) em termos de prestígio na cultura pop, tamanho o carisma e importância que o personagem ganhou ao longo da série.

E tudo podia ser diferente. O que teria sido de James se o pequeno órfão traumatizado pela perda dos pais mortos em um drama a la Nelson Rodrigues, tivesse esquecido a sede de vingança. Mas Jacob não quis: e fez questão de garantir a caneta que escreveria uma estória triste e irônica iniciada na carta redigida no dia do funeral dos pais.

O garoto não teve muitas escolhas, isto não se pode negar. Virou golpista, trapaceiro, aproveitador. Usava o charme para criar tragédias gregas similares a que foi vítima. E quantos corações partidos deve ter sido o causador...

Sawyer nasceu James, mas foi forjado Sawyer. Não é difícil entender como alguém se perde na vida com tamanha tragédia nas costas. Mãe adúltera, pai assassino e suicida não são gens bons para serem herdados. E não é difícil entender porque ele se tornou o que mais odiava. É de alguma forma nossa mente nossa nos culpa por algo que não conseguimos explicar, que não entendemos porque aconteceu...E para o garoto James, a terapia foi a vida, que geralmente tem uma didática cruel para ensinar.

Assim Sawyer chega na Ilha: querendo ser odiado por ser o que mais odiava. Por isto aplica golpes, tira vantagem, se coloca o papel de vilão. Ele chegou a ser...mas no fundo acho que todos sabíamos que não seria ele de fato o grande vilão de Lost.

A grande virada começa na terceira temporada. Quando se vê na posição de líder temporário do acampamento, sem Jack e Locke por perto, ele começa perceber que não seria tão mal não ser o inimigo número I dos mocinhos. Aos poucos os golpes deram lugar a ações de envolvimento com o grupo. E quando ele salva Claire na invasão dos mercenários do cargueiro à Vila dos Outros, já na quarta temporada, percebemos que ele gosta de sua nova postura. Seria um caminho sem volta?

Mais do que peça do triângulo amoroso, com o caso com Kate, Sawyer tem aos poucos suas fragilidades expostas. Se chegou a amar Kate? Até aquele momento na gaiola dos Outros na cena hot com a fugitiva, emocionalmente ainda faltava algo para estar pronto para uma relação de verdade. Ou melhor..talvez tenha sido uma relação, mas a la Sawyer. Nem de longe foi o que James poderia viver com uma mulher.

Foi só com Juliet que ele se comprometeu. Pois era ela o único tipo de mulher que poderia amansar seu coração e finalizar a metamorfose emocional de James. E com Juliet, o anti-herói se torna um líder. Ao ficar na Ilha, ele percebe que não precisa mais apanhar da vida.

Talvez James seja o personagem que mais evoluiu ao longo da série. Conseguir a vingança não foi tudo, não foi o fim da linha, foi só o começo do novo caminho, onde era claro não ter mais espaço para Kate e os jogos infantis entre um trambiqueiro e uma fugitiva.

A última vez que o vimos, ele sofria uma grande perda novamente. O que a Ilha fará dele novamente, não sabemos, só especulamos.

Talvez ele volte a ser Sawyer...Mas com certeza, aquele desfecho, James não mereceu.

Arquétipo de conquistador

Sawyer sempre usou o sarcasmo como escudo. Mas ao mesmo tempo que irritava os losties, ganhava simpatia do público (não total, claro ninguém é unanimidade em Lost), sendo o grande porta voz da cultura pop na Ilha. Os apelidos, as tiradas, o charme do golpista sulista conquistaram boa parte das fãs do sexo feminino, além dos caras, porque no fundo, acho que muitos gostariam de ter algo de Sawyer...o conquistador, aventureiro que vive livre de obrigações e responsabilidades, quase à margem da sociedade ....Um arquétipo mítico comum no inconsciente coletivo, ouso dizer.

Se os roteiristas ajudaram bastante dando a James uma boa estória mesclada entre drama e irreverência e um texto divertidíssimo e inteligente, Josh Holloway também foi fundamental no crescimento do personagem na série. De canastrão a ator de verdade, o lindo ex-modelo conferiu um carisma inigualável ao personagem mesmo quando ainda não sabia atuar. Agora que chegou a outro patamar em termos de atuação, com a grande performance da quinta temporada, especialmente no episódio final, o que podemos esperar de James na sexta temporada??

Pitaco do Paulo

Apelidos, sorrisos de canto de boca, sarcasmo, egoísmo, mais apelidos e um jeitão todo politicamente incorreto. É assim que conhecemos o verdadeiro anti-heroi, oposto do médico bondoso e altruísta que se tornaria líder do grupo. Sawyer sempre foi o anti-Jack, o oposto entre o bom e o mau, o certo e o errado, e verdadeiro e o falso, o sim e o não. Buscou sua redenção, superou a própria máscara e se mostrou muito mais do que o golpista que ele mesmo havia criado. Não é mais Saywer. É James.
Postar um comentário
Related Posts with Thumbnails